Campanha alerta para problemas de saúde mental na pandemia

, , Leave a comment

A campanha Setembro Amarelo, que debate mundialmente a prevenção ao suicídio, traz este ano um componente a mais como fator de risco para as questões ligadas à saúde mental, que é a pandemia da Covid-19.

Para marcar o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, nesta quinta-feira (10) a Secretaria de Estado da Saúde fará uma videoconferência sobre o tema direcionada a profissionais da área. Será das 9h às 12h, com transmissão pelo canal youtube.

“As pessoas estão vulneráveis diante dos desdobramentos da pandemia e a Secretaria da Saúde está atenta a isso, capacitando e atualizando profissionais na área da saúde mental, tanto para apoio da população como dos próprios profissionais da saúde que estão na linha de frente do enfrentamento ao coronavírus”, afirma o secretário Beto Preto.

Segundo ele, além das questões relacionadas à doença, como o grande número de infectados, de internados e de mortes, a pandemia impõe o isolamento e distanciamento social e desencadeou problemas relacionados à economia e também acabou provocando danos à saúde mental.

“A campanha Setembro Amarelo é uma importante estratégia de prevenção, pois coloca o tema em evidência, principalmente neste momento de um novo cenário com muitos fatores de risco para a saúde mental. Por isso a necessidade de profissionais atualizados para identificar e tratar deste paciente”, diz a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

CAMPANHA – Para orientar os profissionais da área, a Secretaria da Saúde publicou Nota Orientativa (no.15) com recomendações para a estrutura e ambiente de trabalho, destacando o foco de ação para os trabalhadores.

A Divisão de Atenção à Saúde Mental da Secretaria elaborou mais duas Notas Informativas: sobre a campanha Setembro Amarelo durante o período de pandemia e sobre a realização de Ações de Prevenção do Suicídio, visando fornecer maior suporte técnico aos profissionais que atuam na área e que também irão promover ações junto a suas equipes nos municípios.

“Desenvolvemos ações ao longo de todo ano e agora, tendo em vista a pandemia da Covid-19, é preciso ter um olhar especial e constante para as consequências na saúde mental, proporcionando à população o acolhimento, escuta empática e o cuidado necessário”, explica a psicóloga da Divisão de Atenção à Saúde Mental, Flávia Figel.

A Secretaria mantém ainda a oferta do curso EAD de Prevenção do Suicídio, elaborado pela Divisão de Atenção à Saúde Mental em parceria com a escola de Saúde Pública do Paraná, com duração de 65h e disponibilizado na plataforma da ESPP.

O suicídio é um fenômeno mundial que causa grande preocupação à saúde pública. “O tema, que já foi grande tabu, atualmente vem sendo cada vez mais debatido. Contudo, ainda assim precisamos diminuir o estigma em torno do suicídio e dos transtornos mentais e disseminar informações sobre prevenção e saúde mental”, afirma Flávia Figel.

“Precisamos estar atentos a alguns sinais, como mudanças repentinas de comportamento, oscilações no humor, isolamento, além de verbalizações sobre querer morrer ou sobre suicídio, pois são indicativos de que o indivíduo está sofrendo”, acrescenta a psicóloga.

AJUDA – Pessoas que precisam de ajuda sobre questões ligadas à saúde mental ou que conhecem pessoas que precisam deste tipo de apoio e tratamento devem procurar ou indicar a Unidade Básica de Saúde mais próxima ou um CAPS (Centro de Atenção Psicossocial). Em caso de emergência, o contato é o Samu ou a UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

 

Deixe um comentário